quarta-feira, 19 de agosto de 2009

A falsa solidão.

Tenho notado em minhas conversas muitas pessoas reclamando de solidão, mas na realidade não é exatamente esta palavra que define o sentimento que se está sentindo.

“A solidão é definida como um sentimento onde uma pessoa sente uma profunda sensação de vazio e isolamento. A solidão é mais do que o sentimento de querer uma companhia ou querer realizar alguma atividade com outra pessoa. Alguém que se sente solitário pode sentir dificuldades em estabelecer contato com outras pessoas.

Solidão não é o mesmo que estar desacompanhado. Muitas pessoas passam por momentos onde se encontram sozinhas, seja por força das circunstâncias ou por escolha própria. Estar sozinho pode ser uma experiência positiva, prazerosa e trazer alívio emocional, desde que esteja sob controle do indivíduo. Solitude é o estado de se estar sozinho e afastado das outras pessoas, e geralmente implica numa escolha consciente. A solidão não requer a falta de outras pessoas e geralmente é sentida mesmo em lugares densamente ocupados. Pode ser descrita como a falta de identificação, compreensão ou compaixão”.

Acima está descrito um comentário que expressa às partes positivas e negativas deste sentimento que pode ser encontrado do Google e foi de onde extrai esta síntese da palavra, mas vou dar o meu complemento, como sempre...rs

Todos somos sós e ao mesmo tempo somos um conjunto, um mundo!

Neste mundo não existem duas pessoas iguais, somos seres únicos, especiais, cada um com a sua característica, seu dom, sua personalidade.

O que eu sinto somente eu sei, o que eu aprendo somente eu sei, o que eu reflito só eu sei e assim acontece com cada ser. Isto quer dizer: somos pessoas solitárias neste sentido, neste mundo. Somos seres carregando cada um a sua cruz, com as mais diversas dimensões e pesos, num caminho único, mas em um mundo comum a todos. Como neste mundo tudo é relativo, os pesos, as dimensões da cruz e o caminho são o mesmo, já que cada um caminha dentro de suas limitações, ou melhor, o que para um é pesado para outro é leve, mas na realidade tudo tem as (mesmas) dimensões necessárias para que se direcione no caminho certo, mesmo que às vezes não pareça.

Meu pai dizia que “o mundo nunca acaba que o mundo somos nós, quando morremos é que se acaba o mundo”, mas o mundo aparente e não o real, já que na vida nada se acaba, tudo se transforma.

Neste mundo onde encontramos outros passageiros, outros mundos, trocamos experiências e formamos laços de alguma forma, uns apertados e outros frouxos, mas nos ligam e isto se chama amizade, companheirismo e às vezes “encrencas”...

Alguns reclamam por estar só, mas se nossos pais já falavam que durante toda a vida o número de amigos verdadeiros conta-se nos dedos de uma mão e é verdade. Muitos tem poder, dinheiro e todas as outras situações que deseja, mas estão só, ou rodeado de falsos amigos, de amigos interesseiros, de puxa-sacos, são as tais amizades de interesse.

Quando disse acima: “Todos somos sós e ao mesmo tempo somos um conjunto, um mundo!”, quis dizer que apesar de sermos unidade, esta também é um conjunto, basta perceber que nossos pensamentos não param, as imaginações idem, das mais variadas possíveis, algumas sugestionadas e outras surgindo aparentemente do nada, as vezes chega a parecer um turbilhão que até maltrata e quando passa do limite enlouquece, a máquina funde.

Somos seres elétrico-magnético que captamos muitas informações desta natureza de mesma energia, somos um centro astrológico que sofremos as influências de tudo que existe, das partículas que temos em cada uma das sete partes que formam o universo, que são: O Sol, a Lua, as Estrelas, a Terra, a Água, os Animais e os Vegetais. Estas influências nos distraem e nos afastam de nossa personalidade verdadeira, do nosso “EU” verdadeiro, são várias personalidades que nos comandam a bel prazer como entendem através dos pensamentos e das imaginações.

Você já parou para perceber que as melhores idéias são quando você está parado, fazendo algo que te desliga das coisas habituais? As minhas melhores idéias, já vieram no banheiro, fazendo um esporte, caminhando, ou algo parecido. Se algum dia alguém me disser que tenho merda na cabeça, não vou brigar, pois a minha idéia pode ter vindo realmente quando estava lá sentadinho...rs.

Como diz o sábio ditado: “Antes só do que mal acompanhado!”, a ansiedade, as perturbações, o stress, a insônia e outros males da vida moderna são sintomas da falta de conversa entre o “EU” e o “TU”, nossa alma quer falar, quer sentir, quer viver, mas a sufocamos no “intensivão” da vida. Por isso, muito se aprende quando está numa cama doente e muitos valores deixam de ter sentido para que o real os supere.

Uns nasceram para não compartilhar de mesmo caminho com outro carregador de cruz, enquanto outros são companheiros nesta difícil e árdua missão, mas que deixa de ser quando passa a compreender e respeitar as dimensões da cruz do outro e o seu trajeto.

O importante é que “precisamos de serenidade para aceitar as coisas que não podemos mudar, coragem para mudar o que podemos, e sabedoria para conhecer a diferença”.

Seja livre, faça o que tiver que fazer com “consciência positiva” e seja feliz “só” ou “acompanhado”, mas nunca se queixe de não ter nascido neste mundo para ser feliz no amor, pois isto é balela, somente seremos capazes de amar alguém quando nos amarmos e para isso precisamos nos conhecer.

Lembre-se que nunca estamos sozinhos, isto é duvidar da existência de Deus, é desconhecer o relatado acima e desconhecimento das causas e efeitos, do alfabeto astrológico que deixamos de segui-lo para seguir um artificial que nos arruinou de vez, como é visível o sofrimento e a sensação de aumento dos pesos das cruzes. Hoje as pessoas lutam para serem piores do que as outras, pois os seus valores estão invertidos. Nunca reclame, sempre agradeça, as coisas ficam mais leves, perdoe e seja perdoado.

Tenha certeza que se não tem muitos “amigos”, com certeza os poucos que tem são verdadeiros e muitas vezes o que você precisa vem de quem você menos espera e que te ama incondicionalmente, por que você é especial, é um ser único, uma partícula divina!


segunda-feira, 17 de agosto de 2009

O GRANDE HOMEM

Este texto não é de minha autoria, mas para mim conclui o que é ser um grande homem!

Mantém o seu modo de pensar independentemente da opinião pública.
É tranqüilo, calmo, paciente, não grita e nem desespera.
Pensa com clareza, fala com inteligência, vive com simplicidade.
É do futuro e não do passado.
Sempre tem tempo.
Não despreza nenhum ser humano.
Causa a impressão dos vastos silêncios da natureza: o Céu.
Não é vaidoso.
Como não anda a cata de aplausos, jamais se ofende.
Possui sempre mais do que julga merecer.
Está sempre disposto a aprender, mesmo das crianças.
Vive dentro do seu próprio isolamento espiritual, aonde não chega nem o louvor nem a censura.
Não obstante, seu isolamento não é frio: Ama, Sofre, Pensa e Compreende.
O que você possui: dinheiro, posição social, nada significa para ele.
Só lhe importa o que você é.
Despreza a opinião própria tão depressa verifica o seu erro.
Não respeita usos estabelecidos e venerados por espíritos tacanhos.
Respeita somente a verdade.
Tem a mente de homem e coração de menino.
Conhece-se a si mesmo, tal qual é, e conhece a Deus.

(autor desconhecido)

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Até quando seremos submissos aos "Compadres Interesseiros"?



Eu, eu, eu, eu, eu e mais eu!!!
Eu sei o que faço!
Eu sou eu e pronto!
Eu sou mais eu!
Primeiro eu, segundo eu, terceiro eu e sempre eu!

Eu faço e desfaço!
Eu que mando!
Eu sou dono!
Eu gosto disso!
Eu sou assim e pronto!
Tudo eu...

Quantas mentiras dizemos para nós mesmos?
Quantas vezes a vida nos disse que os nossos planos não deram certo?
Quantas vezes encontramos pessoas que fazem mais e melhor do que nós?
Quantas coisas que achamos ser nossas e nos são tiradas sem permissão ou prévio aviso?
Quantas vezes ficamos em segundo plano?
Quantas vezes os nossos gostos já mudaram, assim como nossas vontades?
Quantas mudanças já fizemos contrariando as nossas convicções?

Como podemos ser donos de alguma coisa se nada sabemos em relação ao que irá acontecer daqui a pouco? Quanta petulância, soberbia e desequilíbrio! Não somos donos de nada, de ninguém, dos acontecimentos, da saúde e muito menos da nossa vida! Qual o nosso prazo de validade?

Somos seres manipulados pelas leis, pela moda, pelos conceitos, pela mídia, pelos astros, pelas influências de vibrações externas, etc. Até pelos pensamentos que julgamos ser nossos não os são, pois muitas vezes não queremos pensar em tais, mas eles persistem em nos incomodar sem pedir licença, da mesma forma acontecem com as tentações, prazeres, gostos e vaidades, tudo isso interfere com muita força sobre nós.

Já somos criminosos inconscientes, por isso somos condenados às experiências, as dores, lutas, sacrifícios e a morte sem saber as razões.

Os compadres ditam as leis que temos que segui-las, mas muitas delas são injustas, pois penalizam os mais fracos, os menos favorecidos, os de menos poder aquisitivo, os pretos, as mulheres, os homens, os idosos, enfim, todos.

Não estou defendendo ninguém, mas vou citar o caso do Romário, pois teve grande repercussão por ser uma pessoa conhecida e foi preso por estar em atraso com a pensão alimentícia. Tanta gente matando, roubando, estuprando, seqüestrando, políticos corruptos, grandes empresários desonestos a solta e uma pessoa vai presa por pelo crime de não ter dinheiro? Por não pagar R$ 40.000,00 foi parar na cadeia, nunca vi uma criança com tanta fome... e isto acontece com um grande número de pessoas de bem, claro que tem certos pais que merecem esta cobrança, mas há casos e casos.

O mesmo digo sobre a ditadura da moda, que se não andar dentro dos padrões estabelecidos você é um cafona.

Se não tiver dinheiro não terá um tratamento digno em qualquer lugar que for e o pior e mais humilhante é numa fila de hospital, onde nem direito a cuidados, até a sobrevivência tem.

Se cruzar com um “negão” a noite numa rua muda imediatamente de calçada e às vezes este pode ser um ser maravilhoso e nesta outra calçada corre o risco de ser assaltado por um branco de boa aparência.

As mulheres tem os mesmos direitos e deveres dos homens, mas as vezes trabalham mais e na maioria das vezes ganham menos, são exploradas e suas capacidades não são respeitadas. Neste caso as coisas ainda estão se encaminhando para o direito, mas lentamente.

Se não tiver o corpo “sarado”, com silicone, barriguinha definida, e ”apetrechos” no lugar torna- se motivo de gozações e desrespeito, o que faz muitas pessoas ficar anoréxicas chegando à morte em muitos casos, enquanto que em países de “terceiro mundo” vive-se abaixo da linha de pobreza, onde migalhas de pão são disputadas.

A pior situação que se pode viver é o abandono, o desprezo, a fome, o desrespeito, a necessidade básica não atendida, a humilhação!

Somos submissos a tudo isso, ao “sistema” criado pelos grandes gênios que criaram toda esta desigualdade e que se valorizam as aparências, onde as coisas materiais estão acima dos valores humanos em quanto se gasta bilhões de euros por ano em armamentos e coisas sem sentido, baseados na inconsciência do homem que se diz solidário.

Por que existem as drogas, os assaltos, a matança e coisas do gênero? Em razão do enfraquecimento do sentimento gerado por um pensamento debilitado, fruto de nossas próprias ações e desconhecimento do que é real.

Mas o direito do torto é torto, então está tudo certo!

Bato mais uma vez na mesma tecla: “para tudo isso mudar temos que nos conhecer e saber as razões ou causas de todos estes desajustes”.

Um lampejo aqui e outro acolá está se quebrando paradigmas, a natureza com a sua revolta está através das enchentes, tufões, furacões, maremotos, tsunamis, tornados, chuvas de granizos, raios, calor intenso, frio de matar, vulcões, vírus, bactérias, doenças novas e outras ações está mostrando que nenhum poder supera o dela e tanto faz a “posição” ou “poder”, cor, raça, conhecimento, tipo físico entre outras, nada importa a ela e que nós estamos recebendo o que plantamos. O homem aqui nasceu e acha que este mundo lhe pertence, mas quando isto foi dito para ele? Podemos fazer o que quisermos e sair impunes? Belo saber...

Tudo o que aqui acontece é fruto das ações, que é fruto de uma idéia, um pensamento que se materializou através de alguém e como disse acima, nem donos de nossos pensamentos somos e seguimos adiante.

Vamos tentar mudar nossas ações e descobrir quem realmente somos e do que somos capazes tanto de um lado quanto de outro, pois o acerto de contas está aí e só não vê quem não quer e só irá sofrer as conseqüências quem não estiver de acordo, em harmonia com a natureza, mas sim seguindo as regras, leis, gostos e vontades dos “Compadres Interesseiros”.

Que a LUZ da DIVINA PROVIDÊNCIA NOS ILUMINE!!!

video

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Escândalos e atos secretos.

Estamos com os “novos” escândalos sendo anunciados a todo o momento e muitos ainda se espantam e ficam indignadas, outras já até se acostumaram e acham que não tem saída e que é assim mesmo que as coisas funcionam, sendo que esta “história” política brasileira é hereditária e vitalícia, pode puxar a árvore genealógica da “tchurma”, quase todos tem parentesco com antecedentes dos mandatários coronéis, que também são herdeiros dos senhores feudais e assim vai...

A política não é ruim, todos nós a praticamos em nosso dia-a-dia para ter uma convivência harmoniosa e de transações comerciais, assim como tudo que existe, são as pessoas que fazem o ambiente e se quiser ter um ambiente agradável convide pessoas agradáveis, no caso da política nós convidamos com os nossos votos as pessoas que irão tomar conta do nosso ambiente e administrá-lo da melhor forma para vivermos, o que quer dizer que somos os responsáveis pelo destino, ou não? Você pode dizer que não, pois vence quem tem a maioria dos votos e geralmente quem tem a maioria é por que tem um capital maior para investir em propaganda e aparecer mais, acrescendo a isto a ignorância do povo que vota e que é de interesse mantê-la para permanecer no comando e por aí vai...

Para deixar bem esclarecido, estamos comentando o atual, que é sobre os “atos secretos” do Sarney, presidente do senado, digo isso, pois daqui a pouco surgem outros a substituí-lo e outro e outro que quem ler não saberá de qual estou comentando e este em breve será esquecido, como muitos já foram e outros tantos ainda virão e serão.

Posso garantir que os escândalos que ficamos sabendo são por descuido, ou de propósito para encobrir outro maior, tudo muito bem arquitetado. Outra coisa que posso garantir é que tudo acaba bem entre eles, todos são excelentes artistas que convivem muito bem e só de fachada são inimigos para “inglês” ver, ou os idiotas verem. O que os comandantes não sabem que é que também são "comandados", mas desconhecem esta realidade.

Escândalos e atos secretos acontecem desde que o mundo existe, pois onde existem surpresas, traições, mentiras, manhas e artimanhas, sofrimentos, lutas, guerras, incertezas, mistérios, enigmas, sofismas e afins, onde há representações (artistas) visando apenas o seu lado, seus interesses, onde há comandados e manipulados não pode ser diferente, por isso digo sempre em todos os meus textos a importância de se conhecer e conhecer o seus “comandantes”.

Tudo o que nossas vistas enxergam e sentimos é uma representação de um “comando maior”, a razão de nos conhecermos e conhecermos os movimentos da natureza é para saber das “influências” e suas origens, o real “comando” e seus “comandantes” e escolher quais os tipos de “influências” e de “comandantes” você quer se ligar para definir para onde ir.

Somente desta forma os “atos secretos” e os “escândalos” deixarão de existir!

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

O AMOR

Por incrível que pareça não é tão fácil falar de amor, por mais simples que a princípio indica ser. Quem sabe até pela escassez do mesmo em tempos atuais. O que quer dizer esta palavra tão usada e a cada dia que passa sendo utilizada com mais leviandade?

Como tudo neste mundo, na sua origem estão as virtudes de tudo que existe e conforme o tempo passa, elas vão se perdendo...

Existem vários tipos de amores: Amor entre casais, entre pais e filhos, à vida, pelo trabalho, amor ao dinheiro, amor ao carro e assim vai cada um de sua forma, mas com o mesmo nome: “AMOR”.

Acredito que só sabemos definir o que realmente é o “amor”, quando percebemos que somos amados independentemente de nossas falhas, nossos vícios, nosso desequilíbrio e tudo mais que nossa natureza animal é capaz de produzir.

Na minha reflexão sobre este sentimento conclui que existe uma chave para se chegar a ele e para isso é preciso compreender a vida, a tudo e a todos e que se deve respeitar a tudo e a todos, pois todos são originados, filhos de DEUS.

E a chave para se chegar ao “amor” verdadeiro chama-se Compreensão. Somente através da compreensão, teremos entendimento de quem somos, de nossas fraquezas, de nossos limites, de nossa origem, de nossas virtudes esquecidas, de aceitar quem somos e quem fomos.

A vontade em superarmos nossas deficiências para atingirmos a superação de nós mesmos e tornarmos melhores, chama-se amar a si mesmo. Somente amando a si mesmo seremos capazes de amar ao próximo e a Deus, pois somente quando encontramos com o nosso verdadeiro EU é que encontramos a Deus, que está dentro de cada um de nós. Somente desta forma é que teremos a verdadeira sensação de saber o que é o “amor incondicional e verdadeiro”, pois teremos encontrado a essência da palavra “amor”.

A frase “amar ao próximo como a si mesmo” é a explicação definitiva do nosso objetivo, e ainda complementando: “e fazer o bem sem olhar a quem”.

Por isso, o “amor” só vem com a compreensão, que nada mais é do que a consciência divina do todo.

Não há amor verdadeiro sem compreensão, sendo que este é o caminho que leva a ele e quando o acessamos (o amor) este se torna mais forte e inabalável, pois forma-se o TODO e o TODO é DEUS!

Deus é puro, limpo, perfeito, é Pai, é superior, é “Amor Verdadeiro” e não como seus filhos cegos de olhos de abertos que utilizam esta palavra para todas as finalidades e interesses a fim de tirar proveitos e valorizarem suas ações.

Por o mundo estar convertido por uma sabedoria invertida, onde o atraso é dado como saber, e é tão visível isso, como é visível o sofrimento do mundo. Por isso, adotam o sofrimento como saber, pois não sabe quem és TU que a ilusão é tanta que és incapaz de definir o teu EU.

A falta de compreensão do que os “grandes” como Jesus deixou como ensinamento, somado aos antigos interesseiros que se aproveitaram de suas palavras para aos poucos distorcer a verdade com o intuito de conduzir seu rebanho ás trevas da ignorância, demonstrando que se usa o seu nome para ocultar as manobras do traiçoeiro Judas.

Se o mundo tivesse a direção DELE, há muito as coisas seriam diferentes e não este mundo de impostores, falsos, traidores de si mesmos e do próximo. Onde se fala uma coisa e se pensa e se deseja outra, onde a palavra “amor” é ligada ao dinheiro, o mesmo metal criminoso que foi usado para “trair” ao filho de Deus. Por isso, se mata e se morre por ele e o que cada vez mais tem valor é o ter e não o SER.

O que vivemos hoje nada mais é do que a merecida colheita do que se plantou e se planta, sendo que com a traição ao espírito e “amor” à matéria, é que o homem se prostituiu e traiu a si mesmo.

O homem pensa que é dono do mundo, por isso, sempre agiu sem medir conseqüências, mas se esquece que quando aqui nasceu, este mundo já existia e que existe um dono. Vive como um criminoso vagando e destruindo tudo que existe na terra, praticando crimes hediondos contra as leis naturais, sendo um verdadeiro parasita que de tudo explora e nada da em troca a não ser destruição.

A cegueira é tanta que não percebe que precisa de tudo para viver, mas que esse tudo não precisa dele. Seria um criminoso sem perdão se não houvesse o “AMOR” sublime de um PAI compreensivo para interceder junto às vítimas.

Amor, amor, amor, amor, palavra muito usada em versos, músicas, e por senhores da falsa fé. Como podem seres imperfeitos e cheios de defeitos saberem o que é o amor? Essa palavra existe hoje degenerada de sua essência, em razão de um tempo atrás o próprio AMOR vir se materializar em carne e deixar seu perfume.


A oração de São Francisco de Assis é para mim a maior demonstração de compreensão do que é o verdadeiro amor e de como deveríamos agir.


Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor.
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão,
Onde houver discórdia, que eu leve a união,
Onde houver dúvidas, que eu leve a certeza,
Onde houver erro, que eu leve a verdade,
Onde houver desespero, que eu leve a esperança, onde houver tristeza, que eu leve a alegria, onde houver trevas, que eu leve a luz.

Mestre, fazei que eu procure mais
Consolar do que ser consolado,
Compreender do que ser compreendido, amar do que ser amado.

Pois é dando que se recebe,
É perdoando que se é perdoado,
É morrendo que se vive para a VIDA ETERNA.


Aqui está a prova do que é ter contato com o “verdadeiro amor” e saber que quando fazemos algo para alguém fazemos para nós mesmos, tanto o bem quanto o mal. Todos os sentimentos, desejos e atitudes que temos em relação ao próximo são destinados a nós mesmos e a mais ninguém.

domingo, 2 de agosto de 2009

O que é a verdade? Desafio você ler até o final e fazer o seu comentário, duvido que discorde!

Êta perguntinha que pode ter em torno de 6 bilhões de respostas...rs

Somos a somatória de experiências vivenciadas, educação recebida dos pais, conhecimentos adquiridos de uma forma geral, entre “n” outras situações que são de conhecimento de todos e ainda faltariam várias outras que passariam esquecidas.

Dentro deste conjunto de fatores adquiridos criamos conceitos e ou aceitamos os antigos e os alimentamos durante a nossa existência, assim nos formamos seres únicos, cada um com o seu ponto de vista onde tudo passa a ser relativo, já que nossas conclusões são extraídas conforme a capacidade de entendimento de cada um, e esta capacidade ou dom é peculiar de cada ser. Esta trajetória nos molda.

Lembro da época em que na escola tínhamos que ler um livro indicado pelo professor e que teria a sua avaliação posteriormente através de prova. Com exceção daqueles preguiçosos que nada liam e na hora pegavam os resumos de quem havia lido, ocorria uma “variedade interessante” de notas. A conclusão que se chega é que uma mesma história lida no mesmo período, por pessoas de mesmo nível, era interpretada de formas diferentes, o que se comprova pelo que está descrito acima.

Como esta vida não é a verdadeira, pois se fosse seríamos eternos e teríamos tudo a nosso favor, não necessitaríamos de esforços nem sacrifícios; estamos de passagem, por isso aqui tudo passa, a vida é uma somatória de momentos onde “somos solitários” nas emoções e sentimentos vivenciados, e costumo dizer que independente de amigos, “nascemos sozinhos”, “nos criamos sozinhos”, “selecionamos e guardamos sozinhos” todas estas experiências e no final “partimos sozinhos”, independentemente de viver rodeado de um milhão de amigos, cada um é um “mundo”, cada um é único.

Nesta unidade cada um “criou a sua verdade” e os seus “pré-conceitos” de tudo e de todos e que vão se moldando, se lapidando com o passar do “tempo” e com as modificações que este mesmo “Sr. TEMPO” faz por intermédio das “transformações”, ou por outro ponto de vista, pelas “deformações”.

Para tudo baseamos nas “sensações” e nas “aparências”, no que sentimos e vemos e estas são peculiares de cada ser. A necessidade da convivência em sociedade fez com que fosse criada uma organização, com leis, para haver uma “certa” harmonia , ordem, respeito, diretrizes estas fruto de uma ótica “baseada em aparências” e o no “pré-conceito”.

Como baseamos nestes fatores acima, que resumindo nada mais são do que baseados nas aparências, seja de uma forma ou de outra ,e como aparências não são verdades, é que descrevi no primeiro parágrafo que poderíamos ter uma resposta diferente para cada habitante deste planeta.

Infelizmente, sustentados nas verdades que acreditamos (criamos), somos capazes de nos desentender, brigar, matar ou até morrer para defendê-las, já que “somos donos da verdade” e ainda não satisfeitos amplificamos em larga escala esta violência com o terrorismo, as guerras de diversas óticas, inclusive as religiosas como a história nos retrata.

Como pode haver equilíbrio, humildade, compreensão e amor verdadeiro se não houver uma “consciência positiva”?

Como podemos afirmar que exista “consciência” ou “verdade” numa vida em constantes mudanças?

Hoje, baseados no que descrevi acima, com as nossas diretrizes formadas e pré-estabelecidas dizemos que somos contra isso e contra aquilo, que nunca faríamos tal coisa, que não gostamos disso ou daquilo e que gosta desse e daquele outro, que somos assim e que vamos morrer assim e ainda dizemos com firmeza, com “consciência”.
Mas, o “Sr. TEMPO” responsável pelas constantes mudanças, descobertas, altera as modas, os conceitos, amadurece e “evolui” e como o acompanhamos, muitos de nossos “pré-conceitos” também se modificam e o que não aceitávamos passamos a aceitar, nossos gostos se alteram e coisas que dissemos que nunca faríamos, passamos a fazer, e lá se vai por água abaixo o que tínhamos como imutável, firmes e “conscientes”.

Nestas constantes modificações da vida concluímos que somos seres sem palavras, “sem consciência” e “sem verdade”, o que não é ofensa, mas constatação, comprovando a irrealidade deste mundo, de seus pertences, conceitos e que a “consciência” está só no nome, não existe, é tudo passageiro, provisório e ilusório, onde muitos se “acham”, mas os que se acham são justamente aqueles que ainda não se encontraram, pela cegueira e auto-sugestão se considera o tal, ás vezes, dono de grandes fortunas, mas não vê que nem da sua própria vida é dono, nem de seu destino, de nada e nem de ninguém. Por isso, toda a sua aparente posse e seu poder não lhe compram a paz, o amor, os amigos, a saúde e a sabedoria para ser um verdadeiro milionário!

Os pertences materiais existem e cada um o classifica dentro dos seus próprios valores e que a ganância, a ambição, o egoísmo, a cobiça, o materialismo é do ser e não dos pertences materiais que exercem o seu fascínio e magnetiza cada ser dentro de sua vibração. Como muitos criticam sobre estes tipos de “bens circulantes”, sem dono, por pura hipocrisia, pois se lhe fosse dada a chance de também “possuí-lo”, poderia ser até pior a quem hoje critica se deixar-se magnetizar por eles.

Retornando a alguns comentários acima para concluirmos, já que um assunto está interligado a outro, se um mundo está em constantes transformações é porque ele está em andamento e não concluído, desta forma o que pertence a ele também não está. Sendo assim as “verdades são relativas” a cada ponto de vista e se modificam com o tempo, o que se conclui que os seres que nele habitam não tem “consciência”, ou poderiam ser denominadas de “consciências transitórias ou até mesmo de negativas”. Isto tudo escrito acima são constatações e uma “partícula de verdade”, pois na realidade a “verdade mesmo é uma só e imutável desde que o mundo existe”.

Como se diz: “Temos dois ouvidos e apenas uma boca, então devemos ouvir mais e falar menos”, acrescento ainda que as orelhas estão uma de cada lado da cabeça e a boca no centro, isto já foi feito de propósito, para que captemos as informações e as analisemos no “centro” (equilíbrio) para depois emitirmos o nosso parecer, se for o mais indicado, assim se define uma pessoa “centrada”.
Uma imagem que considero perfeita é aquela dos três macaquinhos onde um não vê, outro não fala e outro não escuta.

Como diz um senhor grande amigo meu: “Ver, ouvir e calar se da bem em qualquer lugar!”

Quer conhecer a “verdade”, conheça a ti mesmo, o seu “EU”, se ligue á “Natureza”, se dê este presente, sua vibração será a real, a natural, a verdadeira, sua sintonia será fina com tudo e com todos, estará “imunizado” da “embriaguez e da inconsciência gerada pelo magnetismo”, está na hora!

Não existe o dono da verdade (ela existe por si só), mas a possibilidade de se ter o conhecimento dela. Eu estou tentando, afinal é um dever e um direito de todos nós!

Um abraço “consciente” e “verdadeiro” a todos os meus irmãos e irmãs que estão neste mesmo barco.

O poder da vida

A vida e a organização dos seres orgânicos são de uma forma tal que os seres orgânicos fazem confusões com a vida. A vida tem as suas organizações muito claras para quem sabe viver. Mas para quem não sabe viver, torna-se desorganizada e os seres orgânicos imperam no degladiamento, na degladiação da vida.

A vida para ser bem formada, bem constituída, firme, equilibrada ao bom viver, é preciso que os seres orgânicos e as organizações sejam todas paralelas ou adequadas ao modo de que se constitui a vida; que a vida também é constituída de diversas organizações e de diversos meios do poder da vida. O poder da vida está naquilo que as organizações podem corresponder para equivaler à vida.

O que vale o vivente ter vida, viver e não saber viver? Não vale nada. Porque quanto mais procura se organizar na vida, mais se desorganiza, e se desorganizando, mais o sofrimento o vem tragando e mais sofrimento.

É como a maré, sempre contra a maré dentro do mar revolto. E assim, estas tempestades que reinam na vida do vivente, que naufraga esta vida preciosa, por estas tempestades feitas por não saber viver, e fica o vivente a imaginar e a dizer: “quanto mais eu procuro o bem, mais ele de mim se distância, mais longe fica, ou talvez no infinito, porque não enxergo o que vou fazer da vida”. E fica o vivente neste crepúsculo amargo, neste sonho de sofredor desesperado, neste sonho de lágrimas, neste pesadelo infernal, pensando uma infinidade de coisas e não sabendo como resolver o seu ideal.